Hello, it seems you have JavaScript turned off or you are using and old browser. Hikari WebSite uses JavaScript to implement some of its features, but JavaScript is not required to browse it.

If you are willingly disabling JavaScript, I assure I'll do my best to not force you to enable it, building unobstutive and responsible JS code that do not block your Usability in this site.

 
   

Collapse comments 4 comments to “Como o PROUNI prejudica a universidade pública” | Comments RSS | Top

  1. 1
    flag Windows Vista Internet Explorer 7.0
     
    gravatar Comment by Waleska:
    Tuesday, 10 Feb 2009, at 1:51:11 AM, 8 years, 7 months ago | # |

    feedbackDevo dizer que o Prouni prejudica também as universidades particulares… como dito no início do artigo, escolas/universidades particulares são empresas e tiram a qualidade de seus serviços do capital acumulado… com o Prouni as universidades abriram as portas aos bolsistas e foi gerada sim, inadimplência, pois mesmo com a bolsa de 50% da maioria dos alunos selecionados, é gerada a inadimplência e com isso a necessidade da busca de professores com baixa qualificação e até mesmo redução da grade de cursos!!! Me formei em uma universidade particular e tradicional… hj não estudaria lá…

    Collapse nested comments
    1. 2
      flag Windows XP Mozilla Firefox 2.0.0.20
       
      gravatar Comment by Hikari:
      Tuesday, 10 Feb 2009, at 3:25:16 PM, 8 years, 7 months ago | # | replying Waleska |

      homepage@Waleska,

      Valeu pela visita e pelo comment! ^^

      Então vc diz q o povo q naum tem condição de pagar a universidade passa no vestibular e faz a matrícula tendo metade da mensalidade paga pelo PROUNI, só q depois eles naum pagam a outra metade e a renda da universidade cai?

      É, pensando assim a universidade naum tem tanta escapatória no início, se pessoas q naum fariam a matrícula por saberem q naum teriam como pagar resolverem completar a matrícula contando com o apoio do governo, pra depois naum dar conta de pagar nem a metade da mensalidade… Será q ia ser melhor pra universidade se essas pessoas naum matriculassem e deixassem entrar os q tiveram classificação mais baixa mas q conseguiriam pagar?

      Mesmo assim eu duvido viu. Pq inadimplência sempre teve, e pelo menos na experiência q eu tive o povo q matriculava e depois saía, saía mais pela péssima qualidade do q pela dificuldade de pagar em si. Conheci muita gente q atrasava e depois dava um jeito de pagar, até gente q deixou de rematricular e ficou o semestre inteiro pagando a dívida e depois voltou…

      Como sempre teve inadimplência, axo q naum muda muito at all, com a vantagem q agora a inadimplência é só sobre metade da mensalidade e naum sobre o valor todo. Do mesmo jeito q antes a universidade rejeitava a rematrícula dessas pessoas e perdia um cliente pagante, agora se ela quiser ela pode fazer a mesma coisa. O PROUNI q ela perde dum lado volta a ficar disponível pra outra pessoa q passar no vestibular, então a parte do incentivo as universidades como um todo naum perdem, no máximo oq pode acontecer é essa vaga q ficou disponível ir pra um aluno de outra universidade.

      A instituição só começaria a perder pra valer se a inadimplência aumentar, e ela ter q dispensar mais clientes do q dispensaria antes, reduzindo a quantidade total de alunos estudando. Se isso acontecer aí sim o PROUNI vai virar um fiasco…participate

      Collapse nested comments
  2. 3
    flag Windows Vista Internet Explorer 8.0
     
    gravatar Comment by Carlos Ubaldino:
    Tuesday, 8 Sep 2009, at 10:53:30 PM, 8 years ago | # |

    informationBom, como professor de pós-graduação, gostaria de expor a minha posição.
    A questão da qualidade o ensino superior, já há algum tempo, deixou de ser uma questão universidade pública x privada e pouco ou nada tem a ver com a produção de pesquisa (o brasil, em números absolutos não produz pesquisa científica reelevante, muito atrás, por exemplo, da Argentina, que já teve 4 prêmios nobel). Aliás, nossos pesquisadores de renome nao estão aqui (vide projeto genoma e nossos colegas que foram trabalhar na NASA), nenhum deles esta vinculado a uma instituição de ensino brasileira. No que se refere à questão universidad pública x privada , isso também não corresponde à realidade. Público não significa melhor, emvárias áreas do conhecimento. Exemplo disso é que a pior universidade do Brasil pelo IGC é a UNCISAL (ciências médicas de alagoas, que é uma universidade pública estadual) e que muitas universidades particulares (principalmente as fundações do interior de SC e MG e as PUCs possuem cursos com avaliação e conceito muito susperior a varias públicas estaduais e federais). Por óbvio, permanecem alguns centros de excelencia como a USP, UNB, UFMG etc. que estão entre as melhores do mundo segundo os rankings oficiais. Mas mesmo estas universidades de ponta possuem cursos com avaliação nao mais que mediana e outros até abaixo da média, principalmente que saímos das áreas mais tradicionais (direito, medicina e engenharias). Ao contrário do que o senhor expõe, o problema do ensino superior esta trilhando a mesma linha que faliu com o ensino básico e fundamental públicos: a falta de investimentos e a má remuneração de professores tem levado os bons profissionais a procurar as universidades privadas. O ex-reitor da USP foi para a universidade de marília ganhar 4 vezes mais. As universidaes públicas q conheço e trabalhei não investem na capacitação de seu corpo docente e o sucateamento de laboratórios, salas e tuo que se refer à infraestrutura é evidente em várias delas. As relações de nossas universidades públicas como instituições estrangeiras são limitadas e o intercambio de professores é raro, senão inexistente. Nesta esteia, é impossível comparar, por exemplo o curso de educação física de uma PUC-RS cuja infraestrutura acadêmica é de 1o mundo com o mesmo curso em várias federais e estaduais, cuja nota no ICG foi de 2 e 3… raríssimas vezes 4 e nenhum 5. No mesmo passo vc vê o setor de relações internacionais da PUCMINAS que estabeleceu contato e intercâmbio docente e discente com a sorbone, manchester, coimbra, lisboa, bolonha e california e tem q dar o braço a torcer que o ensino privado tem instituições que dão um banho… A verdade ao meu ver é outra, o ensino público superior vem caindo, ao passo que boas universidades privadas surgiram. Obvio que houve proliferação de ensino superior privado de péssima qualidade, principalmente na área de humanas (direito, administração etc). Mas a verdade é que os investimentos na educação pública são pífios e o govero, nestes ultimos, se preocupou muito mais em aumentar o numero total de pessoas com diplomas universitarios e fomentar o PROUNI como uma alternativa a falta de universidade pública para todos. O erro está ai, os que tem condições, fazem cursinho e entram para as federais… sem pagar nada. O pobre, excluido, pega uma faculdade partciluar vagabunda e paga via PROUNI. A saída, a meu ver é a adoção do modelo europeu ou americano: não existe ensino superior gratuito, nem mesmo nas universidades públicas. Se vc tem condições paga, a anuidade (em coimbra, que é publica, gira em torno de 3000 euros, na católica de lisboa é quase o mesmo, ainda que seja uma particular). Se não tem grana, existem bolsas integrais ou parciais. Todos tem acesso, não existe vestibular e a qualidade do ensino é de fato superior. Com essa renda e outras realizadas através de pesquisa para entes públicos e privados, as universidades, públicas e privadas europeias e norte-americanas, mantêm infraestrutura e autonomia… alem de receber conforme seu balanço social e produção cientifica, uma verba anual do governo e entidades de fomento. Insistir no ensino superior gratuito para os ricos e no PROUNI para os excluídos é, ao meu, reforçar um sistema duplamente excludente… e condenar as universidades públicas a seguir o mesmo rumo das instituições públicas de esnio fundamental e médio.

    Collapse nested comments
    1. 4
      flag Windows XP Mozilla Firefox 3.0.13
       
      gravatar Comment by Hikari:
      Wednesday, 9 Sep 2009, at 3:32:16 AM, 8 years ago | # | replying Carlos Ubaldino |

      Ae Carlos blz! Valeu por contribuir com o assunto! :D

      Claro q eu falei generalizando e tem muitas exceções. Tem por exemplo o curso de medicina da UFBA q foi classificado como um dos piores, resultando até nakele comentário famoso do diretor de lá.

      Na minha opinião, educação e pesquisa nem deviam ser classificados juntos. Mas infelizmente a tradição faz pesquisadores serem professores (pra mim são profissões bem diferentes q kem tem vocação pra um naum tem pro outro obrigatoriamente, resultando em ótimos professores q naum gostam de pesquisa e cientistas bons q são péssimos professores). Fora o fato q, até onde eu sei, universidades q investem em pesquisa tb formam os melhores alunos.

      Claro q existe outros fatores envolvidos. Pesquisa dá mais evidência do q alunos formados, e evidência atrái os melhores alunos, assim uma universidade com mais problemas do q a média pode ter melhores formandos pelo fato de ter mais renome e atrair os melhores alunos.

      Na questão de pública x privada mesma coisa. Oq faz uma universidade ter muitos bons alunos formados é o cunjunto de muitos bons alunos entrando + ter bons professores, e oq faz uma universidade ser “forte” em pesquisa é ter infra-estrutura pra permiti-las, equipe qualificada, apoio por parte de cargos q tem o poder de incentivar ou boicotar as pesquisas, verba pra financiar, e lógico renome pra atrair bons pesquisadores. Na UFMG por exemplo eu sei q eles em vez de correr atrás de cientistas eles exportam por naum darem conta da demanda, incentivando q mestres e doutores formados lá vão continuar as pesquisas em outras universidades com a mesma qualidade ou internacionais (do pouco q eu tive acesso, já vi mestrandos conversando sobre ir pra Europa, doutores q fizeram pós-doc no exterior, apresentação de artigos de pesquisas q envolveram cooperação entre brasileiros e europeus…), além de incentivar o empreendedorismo entre os alunos como uma alternativa à pesquisa pra naum deixar o mestrado como única opção depois de se graduar.

      Nada disso tem a ver com uma universidade ser pública ou privada, ambas podem ter isso tudo, inclusive o MCT financia pesquisa independente da situação, se bem q já vi relatos de pessoas ligadas a universidades públicas “mexerem os pauzinhos” pra beneficiar elas, tanto em verbas pra pesquisa como outras formas de apoio.

      Na universidade q eu formei por exemplo (e q vc tava procurando qd encontrou esse post :P ), a verba é virtualmente ilimitada, mas o reitor fica desperdiçando comprando equipamentos de péssima qualidade e q custam mais q o dobro dos top do mercado (já até me falaram lá dentro pra naum ficar reclamando disso pra naum dar problema pra mim… ), podiam ter uma infra-estrutura de dar inveja, tudo financiado com as mensalidades dos alunos sem nem precisar de ajuda do governo, mas oq mais tem lá é aluno reclamando por ver q nada funciona, é tudo sucada já 1 ano depois de ser comprado. E lá tb tem (tinha?) um programa de bolsa pra pesquisa, eu consegui entrar e recebi mensalmente, tb conseguimos comprar um server novinho do jeito q quisemos, mas simplesmente fomos boicotados e ficamos meses parados por naum ter onde colocar ele, e qd conseguimos local seguro ficamos mais alguns meses sem conseguir levar rede pra lá, pra depois sermos bloqueados pelo firewall e naum conseguirmos liberar o acesso. Acabou q o ano passou e naum fizemos nada, e no ano seguinte eu fiz uma pesquisa mais difícil ainda do q a q ia ser feita, simulando cluster com VMs na minha casa, sem NENHUM apoio da universidade, e essa pesquisa sim gerou resultados e finalmente publicação. Oq eu aprendi de mais importante com essa experiência? q no q tange pesquisa, naum adianta nada ter verba se a instituição naum tem interesse em ter pesquisas sendo tratadas com seriedade, ainda mais qd essa verba é vista como esmola pra calar alguns reclamões e como marcketing pra enganar novos alunos em potencial.

      Só q o assunto desse post naum é especificamente sobre isso. O principal é apenas criticar o governo q aumenta a renda de universidades privadas em vez de investir nas públicas. Se, independente do motivo, o governo sente q universidades privadas precisam de investimento extra, q reduza impostos ou estatize algumas. Oq naum pode IMHO é o governo ficar jogando verba na área de ensino de universidades privadas em vez de investir em novas universidades públicas no interior e mais vagas em (boas) universidades já existentes.

      É como se vc fosse dono duma escola e tivesse tantos alunos q naum tivesse salas suficientes pra todos, aí vc decide alugar salas duma escola vizinha pra comportar todo mundo. É bem válido como medida paliativa, mas ao mesmo tempo q vc aluga essas salas vc deve providenciar a construção dum novo imóvel, e ter essa construção como prioritária sobre o aluguel das salas. Afinal elas naum são suas, vc naum tem a garantia q vão estar sempre à disposição, nem como vai ser o estado delas.

      Ou então vc ter uma loja e seu fornecedor naum conseguir suprir sua demanda, e em vez de procurar outros fornecedores q vendam pelo preço de atacado, vc comece a comprar dos seus concorrentes no varejo, tendo até prejuízo nas vendas. Vc pode fazer isso uma vez ou outra, pra garantir o cliente e evitar q ele vá pro concorrente, na esperança de conseguir a fidelidade dele e no futuro ele voltar a comprar com vc em vez de comprar do concorrente, cobrindo nas vendas futuras o prejuízo dessa 1º venda. Mas, se vc transforma isso em rotina e passa a usar seus concorrentes como fornecedores, talvez seja até melhor fechar a empresa.

      Como eu disse, se o governo vê q falta vaga em universidade pública e nas privadas tá sobrando pq boa parte da população naum consegue pagar as mensalidades, o certo é investir em mais vagas nas públicas e “abrir mercado” pras privadas prosperarem (menos imposto por exemplo). Esse é o caminho mais longo, mais é o q gera resultados mais sólidos. O PROUNI tem muito o jeitão bolsa-esmola de ser, como uma medida política de resultados instantâneos pra atrair votos imediatos de todos os beneficiados. Fora q, se na média geral as universidades públicas continuarem tendo mais qualidade do q as particulares, a desigualdade social vai continuar, pq nas públicas só vai entrar os alunos q formarem em escolas privadas de qualidade e nas particulares só vai entrar os alunos de escolas públicas. De novo, no 1º e 2º grau naum é obrigatório q privado > público, mas essa é a regra.

      E isso ainda pode trazer outro problema, se o PROUNI virar solução de longo prazo. Se boa parte dos alunos de universidades particulares forem beneficiados pelo programa e boa parte da renda delas vier do governo, elas vão passar a ver o governo como real cliente, e tratar os alunos ainda pior, da mesma forma q empresas de transporte público tratam os passageiros, vendo as prefeituras como o público alvo q deve ser alcançado e agradado. Com o agravante q no caso das universidades o governo libera a verba sem nem precisar de licitação ou um mínimo de garantias…

      Quanto ao velho debate de universidade pública cobrar mensalidade, eu gostei do modelo q vc explicou, mas sinceramente acredito q oq é certo lá naum acabaria sendo o adequado pra cá. Em 1º lugar pq a desigualdade social continuaria ocorrendo: o rico paga independente da sua capacitação e vai pra melhor universidade q o bolso comportar, inqt q o pobre fica dependendo de bolsa. Todos os ricos entram, só os pobres eforçados entram. Naum acredito q mudaria muito. E em 2º lugar pq no Brasil as empresas naum investem em pesquisa, “naum tem jeito”, elas compram tecnologia pronta e no máximo investem em algo novo caso seja abatido do IR. Oq mudaria seria apenas o nivelamento de públicas e particulares, acabando com as diferenças q existem hoje, com provável vantagem pras públicas q passariam a ter renda vinda dos alunos e provavelmente continuariam sendo privilegiadas pelo governo (oq eu concordo, pelo menos desde q os alunos tenham o benefício de naum ter q pagar mensalidade).

      Acredito q a única solução mesmo seria um governo q tratasse o ensino com seriedade, fizesse uma reforma profunda na política fiscal e nos investimentos, e colocasse uma administração qualificada e eficiente pra aplicar qualidade em todas as escolas (eu gostei dum exemplo dado por alguém uma vez, onde os bancos públicos tem a mesma qualidade em todas as agências, independente de onde estejam).

      Acaba q concordamos no assunto do post e discordamos nos offtopic :)

      Collapse nested comments
Leave a Comment

Comment Title / Subject


Experimental:

I've started testing a new comment editor to make commenting easier. It requires JavaScript enabled to work. If you have any problem with it, just click the Source button and it will be shut off.

Comecei a testar um editor novo nos comments. Ele precisa de JavaScript pra funcionar. Se vc tiver algum problema ao usar ele, é só clickar no Source e ele vai ser desativado.

 

XHTML: You can use the following tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <strong> <em> <blockquote cite=""> <q cite=""> <cite> <code lang=""> <pre lang="" class=""> <tt> <del datetime=""> <strike> <ol> <ul> <li> <p style="" class=""> <span style="" class=""> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <sub> <sup> <i> <u>

 
 
 
homepage