Hello, it seems you have JavaScript turned off or you are using and old browser. Hikari WebSite uses JavaScript to implement some of its features, but JavaScript is not required to browse it.

If you are willingly disabling JavaScript, I assure I'll do my best to not force you to enable it, building unobstutive and responsible JS code that do not block your Usability in this site.

 
   

Collapse comments 3 comments to “Desvendando a lenda do Filho Pródigo” | Comments RSS | Top

  1. 1
    flag Windows XP Mozilla Firefox 2.0.0.20
     
    gravatar Comment by Abelmon Bastos:
    Tuesday, 27 Jan 2009, at 3:34:31 PM, 8 years, 10 months ago | # |

    Texto muito interessante, complexo, de uma mente singular. Vou fazer algumas perguntas:

    1. Tudo é perfeito? Posso pensar que a desobediência é perfeita?
    2. Se a família que é criação de Deus (pode-se dizer o contrário?), ela é, então, perfeita?
    3. Será que nenhum filho é capaz de amar um Pai ou vice-versa de maneira verdadeira? A família sendo uma instituição em decadência, onde poderemos encontrar melhor exemplo de união real entre as pessoas além da união entre Deus-Pai e Deus-Filho?
    4. Quais os frutos que o filho pródigo retornou ao chegar em casa? O que trouxe o filho de volta não foi o arrependimento? O fato dele ser recebido denovo pelo Pai, foi mérito único do filho ou mérito da misericórdia e graça do Pai?
    5. Se precisamos descer para depois subir, aquele ser que descer mais próximo ao infinito, um dia subirá na mesma proporção? Como alguém que vive em tão densas trevas poderia enxergar a verdadeira luz que leva ao Alto?
    6. Porquê, só considerar pequenos trechos da Bíblia? É impossível entender toda a mensagem de um livro se só lemos parte dele. Assim, porquê não considerá-la como um todo, complexo, sim, mas simples em seu centro(o que divide e une o novo e o antigo)?
    7. É certo chamar o texto “Filho pródigo” de “lenda”, se o próprio Jesus disse que era uma parábola e, não, uma história verdadeira?
    8. Sendo o texto uma parábola (Parábola: s.f.: Narração alegórica que contém algum preceito moral), qual o preceito moral dela?
    9. Você sabia que o evangelho de Tomé é um apócrifo, podendo conter ensinamentos duvidosos? (Apócrifo: adj. s.m.: 1. falso; 2. Obra não autêntica, quanto ao autor ou à época em que se diz pertencer)

    Desejo Paz e Luz verdadeiras!information

    Collapse nested comments
    1. 2
      flag Windows XP Mozilla Firefox 2.0.0.20
       
      gravatar Comment by Hikari:
      Tuesday, 27 Jan 2009, at 3:35:16 PM, 8 years, 10 months ago | # | replying Abelmon Bastos |

      informationae Abelmon obrigado pelo elogio! :D

      1-2) Sim a Energia Manifestada é perfeita. A Energia naum é estática, qd Manifestada ela se torna Dinâmica. Pra manter essa Dinâmica Ordenada e ainda expandir a Energia, é preciso um esforço constante.

      Pra manter o sistema Ordenado, existe as Leis. Qd alguma Energia vai contra as Leis, ela naum é punida nem destruída, é simplesmente Reformada pra voltar a ser Ordenada, se adequando às Leis.

      3) A família é uma estrutura social do reino Animal, ela é baseada em instintos. Qt mais próximos geneticamente, mais as pessoas se ajudam e e relacionam.

      Naum é q a família seja ruim, é q na situação atual, finalmente a Humanidade Terrestre chega à sua posição de direito como reino Hominal, adquirindo a Consciência Planetária. A estrutura da família vira uma estrutura ultrapassada pro nível de Consciência da Humanidade.

      A família naum deixa de existir, mas fica em 2º plano, assim como acaba classes sociais, financeiras, políticas, ou familiares, naum existe mais diferenças sociais entre as pessoas. como ser Humanizado todos se identificam como Irmãos.

      A União, realmente real, é a Fraternidade.

      4) Cristo se reservou o direito de naum explicar oq o Filho faz qd se distancia do PAE, foi isso q eu tentei explicar no texto. Nessas 2 histórias, a impressão q dá é mesmo q o filho perdeu tudo q recebeu do pai, e q a ovelha só gerou perda de tempo pro pastor.

      Mas vendo essas história sob o ponto de vista Quaternário, nós sabemos q o “distanciar do PAE” naum é algo ruim. Qd o Filho qd desce, ou se distancia do PAE, realmente ele perde Consciência e sente desconforto, sofrimento e se perde. Mas nessa “grande jornada” o Filho leva Luz-Consciência pra onde ele vai e planta a Luz em todo lugar q ele vai. A Luz-Consciência q ele consegue plantar germina, brota, cresce e frutifica se multiplicando. Qd finalmente chega a hora dele subir de volta, de voltar à casa do PAE, o Filho pega parte da Consciência q ele multiplicou e leva com ele, devolvendo ao PAE mais Consciência do q ele levou. É por esse trabalho pesado e por todo o esforço q o Filho teve q o resultado é a festa q o PAE dá a ele, ou q o pastor diz à ovelha q prefere ela.

      5) Sim, qt mais conseguimos descer em direção à matéria, mais Energia conseguimos manipular e multiplicar. Com essa imensa multiplicação de Luz-Consciência, nós nos expandimos e expandimos o PAE. A 3º dimensão Planetária q estamos hoje é o nível mais baixo de Consciência q existe.
      Note q pra se tornar Filho e fazer esse processo, precisamos ter consciência do ternário E do quaternário. É com a união dos aspectos ativo e passivo q o Filho é Gerado. Se tiver na 3ª dimensão e naum ter consciência da Quarta Dimensão esse processo naum pode ser executado.

      Medite sobre a frase “É do lodo mais denso q nasce o lírio mais alvo”…

      Collapse nested comments
    2. 3
      flag Windows XP Mozilla Firefox 2.0.0.20
       
      gravatar Comment by Hikari:
      Tuesday, 27 Jan 2009, at 3:35:33 PM, 8 years, 10 months ago | # | replying Abelmon Bastos |

      homepage6) naum entendi a pergunta…

      Eu copiei as histórias completas. Resolvi copiar pra ajudar quem lesse o texto, pra naum ter q procurar na bíblia ou pegar o evangelho de tomé, pq aí a pessoa ia ficar com preguiça e desistir de ler.

      7) Eu usei lenda como trocadilho :) Essas histórias são a simbologia q foi encontrada pra explicar Verdades às pessoas da época…

      8) Eu naum preocupo com símbolos e definições. Oq importa é as chaves contidas nos símbolos.

      Se vc quer uma lição de moral, pode ser q as histórias ensinam q naum existe destruição nem punição, e q apesar de árduo a descida é necessária pra promover a Expansão de Consciência. E tb q, independente do tempo q levar, a subida é garantida, o destino de todas as pessoas no final da “grande jornada” sempre vai ser o retorno à casa do PAE.

      9) Os evangelhos apócrifos pelo q li são textos rejeitados pelo Conselho de Trento q aconteceu no século 4. Os textos aceitos naquele evento viraram a bíblia, e os rejeitados foram destruídos e esquecidos.

      Esses livros q temos são de antes do Conselho de Trento, q foram levados por algum cristão pro Egito antes de serem rejeitados. Lá eles foram copiados, guardados e preservados.

      Por terem ido pra longe da área de controle da igreja na época, eles foram menos modificados e deturpados, por isso são mais originais do q os q a igreja “padronizou” e dogmatizou.

      Até hoje eu só tive tempo de ler os evangelhos da Maria Madalena, Adão e Eva e Tomé. Maria Madalena e Tomé tem citações claras ao Mental, então posso confirmar q são autênticos, escritos por apóstolos ou pelo menos por alguém q conhecia o Mental e teve alguma relação com Cristo.
      Já o de Adão e Eva tá mais com cara de roteiro pra ser interpretado em peça de teatro, e naum vi nada de importante nele.

      Collapse nested comments
Leave a Comment

Comment Title / Subject


Experimental:

I've started testing a new comment editor to make commenting easier. It requires JavaScript enabled to work. If you have any problem with it, just click the Source button and it will be shut off.

Comecei a testar um editor novo nos comments. Ele precisa de JavaScript pra funcionar. Se vc tiver algum problema ao usar ele, é só clickar no Source e ele vai ser desativado.

 

XHTML: You can use the following tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <strong> <em> <blockquote cite=""> <q cite=""> <cite> <code lang=""> <pre lang="" class=""> <tt> <del datetime=""> <strike> <ol> <ul> <li> <p style="" class=""> <span style="" class=""> <h1> <h2> <h3> <h4> <h5> <h6> <sub> <sup> <i> <u>